Em forma de poesia, falo da minha vida, com a filosofia que criei.
Livros que preenchi de histórias inimagináveis... De amor, ilusão.
Fazem 18 anos, querido
Eu nasci e desde o ventre, tinha uma missão:
Sobreviver e fazer viver.
Transformar.
Mesmo que não olhem a vida dessa forma, eu queria lembrar.
Meu bem, só te lembrar que a história está chegando ao fim
E aí sim, a literatura renderá cascalhos em abundância
Você se lembrará de mim, procurando meus poemas na gaveta
Onde irá encontrar apenas cartas e fotos de uma vida passada
Cheio de monstros e fadas, filosofia, utopia
Que se foi e virou cinzas prateadas.

24 de Nov/13

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog